LOADING

Type to search

Mundo Cristão

Ataques violentos afligem cristãos no Chade

Share

Um grupo nômade de pastores de cabras muçulmanos atacou comunidades cristãs na região de Goré, no Chade, perto da fronteira com a República Centro-Africana. Os ataques em série aconteceram entre os dias 5 e 8 de maio, mas a tensão permanece no ar.

“O filho de um líder muçulmano foi sequestrado por bandidos que exigiram um resgate. Quando o pai do menino foi pagar o valor exigido, ele foi morto, assim como o filho. A comunidade muçulmana ficou irada e descontou a raiva sobre vilarejos cristãos, onde eles acreditavam que os raptores estavam”, contou uma fonte local aos parceiros da Portas Abertas.

Igreja sob ataque

O pastor Doumro Tadinago Gaston, da Eglise Evangélique des Frères au Chad (EFIT, do francês) é um dos 13 cristãos mortos. Uma criança pequena também morreu nos ataques. Algumas fontes locais disseram que o número é ainda maior, entre 17 e 30 mortos.

Além dos ataques, lojas, casas e gados foram saqueados e algumas casas foram incendiadas. A população cristã local está com medo e foi forçada a fugir para regiões mais seguras.

“A igreja está sob ataque e os grupos muçulmanos estão procurando pastores e líderes cristãos. Essa é a primeira vez que um ataque tão violento aconteceu nos vilarejos. Os agressores acreditam que os responsáveis pelo sequestro e morte dos muçulmanos estão entre os cristãos, por isso estão atacando e matando todos que encontram pela frente, especialmente os líderes cristãos”, diz outra testemunha local.

Novas ameaças

O governo do Chade enviou forças de segurança para acalmar a tensão nas áreas conturbadas, já que ainda hoje há ameaças de novos ataques. Ainda não se sabe ao certo a identidade dos agressores, mas testemunhas locais afirmam que são pastores de cabras nômades que vieram para a região a fim de atingir certas pessoas.

A igreja evangélica no Chade e toda a comunidade cristã local se mobilizou nas redes sociais para condenar os ataques atrozes. Líderes cristãos afirmaram estarem “chocados pela recorrência de conflito entre comunidades” no Sul do país, segundo o jornal Africanews.

Fonte: Portas Abertas

Tags:

You Might also Like

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *