LOADING

Type to search

Destaque Mundo Cristão

Faculdade suspende aluno alegando “discurso de ódio” por citar a Bíblia, nos EUA

Share

A America First Legal entrou com um processo contra o County College of Morris (CCM) e seu reitor de estudantes, devido à suspensão de um aluno acusado de “discurso de ódio” ao citar textos bíblicos.

“Hoje, America First Legal, junto com o coadvogado Jonathan F. Mitchell e Wally Zimolong, processou o County College of Morris (CCM) e seu reitor de estudantes, Janique Caffie, por suspender e ameaçar um estudante cristão por pregar a Bíblia falando contra a homossexualidade”, declarou o America First Legal no final de março.

De acordo com o comunicado à imprensa, o estudante cristão Kombe Sefelino menciona ocasionalmente os ensinamentos da Bíblia sobre a homossexualidade, que advertem os homossexuais praticantes de que não herdarão o reino de Deus a menos que se arrependam.

Carta aos Coríntios

O comunicado afirma que ele cita verbalmente passagens “os injustos não herdarão o reino de Deus” e que “nem os imorais, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os homossexuais, nem os ladrões, nem os gananciosos, nem bêbados, nem maldizentes, nem vigaristas herdarão o reino de Deus (1 Cor. 6:9-10 ESV).”

Segundo a America First Legal, após alguém no campus presenciar Sefelino citando o ensino bíblico sobre moralidade sexual, a faculdade emitiu uma advertência por escrito, declarando que as declarações do Sr. Sefelino eram consideradas “discurso de ódio” e “demonstrava um preconceito contra a comunidade LGBQT+”. O aviso também informou que as declarações de Sefelino violavam a lei de Nova Jersey.

De acordo com o comunicado, quando Sefelino recusou a “autocensura”, a faculdade respondeu “[declarando] o Sr. Sefelino culpado de ‘pregar discurso de ódio no campus em referência à homossexualidade e homossexuais’ e suspendeu-o por onze dias.”

Liberdade religiosa

A America First Legal destacou que a escola é “uma instituição pública financiada pelos contribuintes, vinculada às garantias de liberdade de expressão e liberdade religiosa da Constituição”, mas “ameaçou expulsá-lo se ele continuasse pregando contra a homossexualidade”.

O comunicado de imprensa também mencionou que a carta da faculdade afirmava: “Aceitamos todos aqui. Não há lugar para preconceito no CCM”, sem demonstrar qualquer senso de ironia.

O vice-presidente jurídico e conselheiro geral da America First, Gene Hamilton, afirmou em um comunicado que a organização considera esse incidente como uma acusação à academia moderna como um todo.

“Durante gerações, faculdades e universidades foram centros de liberdade de expressão e de troca aberta de ideias. Estudantes americanos foram ensinados a discordar respeitosamente uns dos outros. Isso não é mais verdade, e muitas faculdades e universidades se tornaram centros de censura. Burocratas [da cultura] woke em faculdades nos Estados Unidos ficam mais do que felizes em silenciar discursos com os quais discordam”, disse Hamilton. “Nós não vamos deixar isso passar em nosso relógio.”

Ameaça de remoção definitiva

Um documento supostamente enviado pela faculdade para Sefelino citou “Treinamento em Espaço Seguro” e “Treinamento de Preconceito Implícito” como “medidas que o CCM tomou para impedir o assédio e criar um ambiente livre de preconceito” e emitiu um aviso de que Sefelino pode ser removido da instituição inteiramente.

“Simplesmente não há lugar neste campus para preconceito contra qualquer indivíduo ou grupo de indivíduos com base em seu status de classe protegida”, disse a carta supostamente do vice-presidente de Recursos Humanos e Relações Trabalhistas, Vivyen Ray.

“Outras reclamações contra você por demonstrar comportamento tendencioso resultarão em uma recomendação ao reitor Caffie para iniciar os procedimentos do Código de Conduta do Estudante com a intenção de removê-lo legalmente como aluno.”

A cobertura da história do College Fix escreveu: “Em um processo após o processo inicial, [a reitora dos alunos do CCM, Janique Caffie] afirmou que disse a Sefelino que ele poderia retornar ao campus para qualquer ‘propósito legal’.”

O mesmo veículo observou: “A faculdade comunitária não esclareceu se a pregação de Sefelino é considerada ‘legal’ ou se o disciplinará no futuro se ele continuar. Além disso, Sefelino está buscando o pagamento de seus honorários advocatícios e a eliminação de seu registro disciplinar, que a faculdade comunitária não forneceu.”

Fonte: Guia-me com informações de Fox News

Tags:

You Might also Like

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *