LOADING

Type to search

Mundo Cristão

Terroristas matam 33 cristãos em vila na Nigéria

Share

Terroristas Fulani e outros terroristas mataram 33 cristãos em um ataque na noite de sábado até a madrugada de domingo (15 a 16 de abril) no estado de Kaduna, na Nigéria.

Moradores da área disseram que Fulani ao lado de outros terroristas armados invadiram a vila predominantemente cristã de Runji, no condado de Zangon Kataf, por volta das 22h do sábado (15 de abril).

“Por favor, ore por nós. É um domingo negro, pois 33 cristãos foram mortos por terroristas nas primeiras horas de domingo, 16 de abril”, disse Mugu Zakka Bako, morador da área, em uma mensagem de texto para o Morning Star News. “Eles também foram enterrados hoje, segunda-feira, 17 de abril.”

O Rev. Jacob Kwashi, bispo da Diocese Anglicana de Zonkwa, estado de Kaduna, presidiu o enterro em massa dos 33 cristãos.

“Nos últimos sete anos e meio, nós no sul de Kaduna vimos o trabalho dos malvados que decidiram que continuarão lançando o mal sobre nós em nossa terra até que não saibamos quando eles vão parar,” Kashi disse. “Sempre foi óbvio e claro que o governo é capaz de parar esse mal, seja o governo do estado de Kaduna ou o governo da Nigéria, eles são capazes, eles são capazes de parar esse mal, mas a verdade é isso, eles estão prontos e dispostos a parar esse mal?

O Rev. Bauta Motty, um líder cristão do sul do estado de Kaduna e ex-secretário geral da Igreja Evangélica Winning All (ECWA), disse em um comunicado que o ataque à vila de Runji foi o terceiro contra cristãos da área em uma semana. Ele disse que o ataque a Runji deixou muitos feridos e queimou muitas casas; relatórios publicados citaram um funcionário do governo dizendo que 40 casas foram destruídas.

“Antes disso, dois cristãos foram mortos quatro dias antes na mesma aldeia”, disse Motty. “Isto está ao lado dos 17 cristãos que foram mortos há quatro dias na aldeia de Atak Njei.”

A moradora da área, Grace Bamaiyi, disse que quase metade das casas da vila foram queimadas. Outro morador, John Kantiyok, descreveu o ataque como um massacre.

“Vamos orar pela vila de Runji na área do governo local de Zangon Kataf, que sofreu um forte ataque na noite de domingo”, disse Kantiyok em uma mensagem de texto ao Morning Star News. “Muitos cristãos são mortos, e quase metade das casas da aldeia foram queimadas e destruídas. É nada menos que um massacre.”

Francis Sani, funcionário do conselho da área de governo local de Zangon Kataf, em um comunicado à imprensa, confirmou a morte dos 33 cristãos.

“Os terroristas em grande número mutilaram e queimaram principalmente mulheres e crianças, incendiaram casas e invadiram várias casas dentro da comunidade, deixando um rescaldo de assassinato horrível de 33 pessoas, com quatro sofrendo vários graus de ferimentos e alguns, em estado crítico, foram encaminhados ao Hospital Especializado e propriedades no valor de milhões foram destruídas”, disse Sani. “Estamos devastados e chocados com o nível de carnificina e derramamento de sangue sem sentido.”

Samuel Aruwan, porta-voz do estado de Kaduna, disse que as tropas “tiveram um encontro feroz com os terroristas e ainda estão na área geral”.

“Enquanto esperava por um relatório detalhado, o governador Nasir El-Rufai, que recebeu o relatório preliminar nas primeiras horas do domingo, condenou os assassinatos como inaceitáveis ​​e injustificáveis”, disse Aruwan. “O governador se solidarizou com as famílias que perderam seus entes queridos e orou pelo repouso das almas das vítimas. Ele também orou pela rápida recuperação dos feridos”.

Mortes, estupros e sequestros

A Nigéria liderou o mundo em cristãos mortos por sua fé em 2022, com 5.014, de acordo com um relatório da Portas Abertas. Também liderou o mundo em cristãos sequestrados (4.726), agredidos ou assediados sexualmente, casados ​​à força ou abusados ​​física ou mentalmente, e teve o maior número de casas e empresas atacadas por motivos religiosos. Como no ano anterior, a Nigéria teve o segundo maior número de ataques a igrejas e pessoas deslocadas internamente.

Na Lista Mundial da Perseguição de 2023 dos países onde é mais difícil ser cristão, a Nigéria saltou para o sexto lugar, sua classificação mais alta de todos os tempos.

“Militantes do Fulani, Boko Haram, Província do Estado Islâmico da África Ocidental (ISWAP) e outros conduzem ataques a comunidades cristãs, matando, mutilando, estuprando e sequestrando para resgate ou escravidão sexual”, observou o relatório. “Este ano também viu essa violência se espalhar para a maioria cristã ao sul da nação… O governo da Nigéria continua a negar que isso seja perseguição religiosa, então as violações dos direitos dos cristãos são realizadas com impunidade.”

Contando com milhões na Nigéria e no Sahel, os Fulani predominantemente muçulmanos compreendem centenas de clãs de muitas linhagens diferentes que não possuem visões extremistas, mas alguns Fulani aderem à ideologia islâmica radical, o Grupo Parlamentar de Todos os Partidos do Reino Unido para a Liberdade Internacional ou Crença (APPG) observou em um relatório recente.

“Eles adotam uma estratégia comparável ao Boko Haram e ISWAP e demonstram uma clara intenção de atingir os cristãos e símbolos poderosos da identidade cristã”, afirma o relatório do APPG.

Líderes cristãos na Nigéria disseram acreditar que os ataques de pastores terroristas Fulani às comunidades cristãs no Cinturão Médio da Nigéria são inspirados por seu desejo de tomar à força as terras dos cristãos e impor o Islã, já que a desertificação tornou difícil para eles sustentar seus rebanhos.

Folha Gospel com informações de Morning Star News

Tags:

You Might also Like

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *