LOADING

Type to search

Destaque Mundo Cristão

Mianmar condena pastor batista a 6 anos de prisão após se manifestar contra atrocidades

Share

Um tribunal em Mianmar condenou o ex-presidente da Convenção Batista de Kachin, Hkalam Samson, que foi preso e detido pela junta militar do país em dezembro, a seis anos de prisão, apesar dos apelos do governo dos Estados Unidos para sua libertação. 

Um tribunal em Myitkyina condenou o Rev. Samson sob a Lei de Associação Ilegal, o Código Penal e a Lei do Terrorismo, de acordo com o grupo de direitos humanos Christian Solidarity Worldwide, com sede no Reino Unido  . 

Samson, que agora atua como presidente da Assembleia Consultiva Nacional de Kachin, foi  preso  sob a acusação de se reunir com membros de um grupo étnico armado e de realizar uma reunião de oração com membros do governo civil paralelo de Mianmar, também conhecido como Birmânia.

O analista sênior da CSW para o Leste Asiático, Benedict Rogers, chamou a sentença de “uma ultrajante farsa da justiça”.

“O reverendo Dr. Samson é um pastor cristão completamente não violento e um corajoso e incansável defensor da justiça, dos direitos humanos e da paz”, disse Rogers, autor de três livros sobre Mianmar e amigo do Rev. Samson.

O conflito entre os militares, localmente conhecidos como Tatmadaw, e as milícias de minorias étnicas aumentou desde o golpe militar em fevereiro de 2021. As milícias étnicas têm apoiado manifestantes pró-democracia.

“Ele foi preso simplesmente por falar corajosamente contra as atrocidades bárbaras dos militares de Mianmar perpetradas contra o povo de Mianmar”, disse Rogers.

Samson, que anteriormente atuou como presidente e secretário do KBC, lidera a Assembleia Consultiva Nacional de Kachin, um grupo de líderes religiosos e políticos locais que ajudam a promover a comunicação entre a Organização de Independência de Kachin, a ala política do Exército de Independência de Kachin e a comunidade local.

O bispo organizou os funerais de mais de 60 vítimas do ataque aéreo da junta em um concerto de aniversário do KIO no município de Hpakant em outubro passado. Ele também tentou providenciar para que os feridos graves recebessem tratamento médico de emergência.

Um mês depois do incidente, ele participou de um encontro de oração em Myitkyina, organizado pelo Conselho de Igrejas de Mianmar, que representa os grupos cristãos do país, para homenagear as vítimas.

Em fevereiro, o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, Ned Price, condenou a prisão de Samson em uma  coletiva de imprensa .

“Estamos extremamente preocupados com seu bem-estar e segurança e pedimos a nossos parceiros e aliados que se juntem a nós para pedir ao regime que retire todas as acusações e liberte imediata e incondicionalmente o reverendo Samson”, disse Price.

A junta matou mais de 3.200 pessoas e prendeu mais de 21.300 outras até quarta-feira,  de acordo  com a Associação de Assistência para Presos Políticos.

“A comunidade internacional deve se manifestar fortemente para exigir sua libertação imediata da prisão e intensificar os esforços para aplicar sanções direcionadas contra o regime militar ilegal de Mianmar até que todos os presos políticos sejam libertados, os militares cessem todos os ataques nos estados étnicos e Mianmar seja colocado em um caminho de uma verdadeira democracia federal”, disse Rogers.

O país do Sudeste Asiático é o lar da mais longa Guerra Civil do mundo, que começou em 1948.

As zonas de conflito estão ao longo das fronteiras de Mianmar com a Índia, Tailândia e China.

Os cristãos representam pouco mais de 7% da nação de maioria budista, mas são maioria no estado de Chin, que faz fronteira com a Índia, e no estado de Kachin, que faz fronteira com a China. Os cristãos também constituem uma parte substancial da população do estado de Kayah, que faz fronteira com a Tailândia.

Em junho passado, vários relatórios, inclusive das Nações Unidas, revelaram que a junta atacou brutalmente e matou centenas de crianças desde o golpe militar.

Tom Andrews, relator especial da ONU sobre a situação dos direitos humanos em Mianmar,  disse em um relatório  da época que “os ataques implacáveis ​​da junta às crianças ressaltam a depravação e a disposição dos generais de infligir imenso sofrimento a vítimas inocentes em sua tentativa de subjugar o povo de Mianmar.”

“Recebi informações sobre crianças que foram espancadas, esfaqueadas, queimadas com cigarros e submetidas a simulações de execução, e que tiveram suas unhas e dentes arrancados durante longas sessões de interrogatório”, disse Andrews.

Fonte: Christian Post
Foto: Twitter/@BobRobertsJr

Tags:

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *