LOADING

Type to search

Destaque Mundo Cristão

“O relato do Evangelho de Jesus é totalmente confiável”, diz historiador

Share

Como em toda Semana Santa, multiplicam-se reportagens e programas televisivos de vários tipos sobre Jesus. Apesar de viver há quase 2.000 anos, sua pessoa e sua obra continuam despertando grande interesse.

O historiador e escritor Mario Escobar esclarece algumas das questões que surgem sobre Jesus, os evangelhos e sua historicidade.

P. Sabemos que não há muitas fontes escritas sobre o que aconteceu em Israel no primeiro século. Mas além dos evangelhos, quais são os relatos mais confiáveis?

R. É verdade que não havia tanta documentação como podemos ter hoje do que acontece. Deve-se levar em conta que Israel, a Palestina, esta área conquistada pelos romanos, era uma parte secundária de seu império. É por isso que não temos tantos dados sobre eventos históricos. No entanto, encontramos alguns. Flavio Josefo é um dos historiadores que melhor e mais falou sobre Jesus. Em sua obra ele menciona que foi um mestre que ensinou a verdade e ainda detalha sua morte e como desde o início seus seguidores falavam de sua ressurreição. Flavio Josefo conta que desde então surgiu uma seita que recebeu o nome de cristãos.

No Talmud, um dos livros sagrados dos judeus onde se reflete toda a sua tradição, o primeiro livro do texto de Misha fala desta época, e como houve alguém que eles chamam de “falso profeta” que se levantou. Num diálogo posterior com São Justino, fala-se de Jesus e dão-se dados históricos.

Além dessas fontes que vêm da área de Israel, existem outros historiadores pagãos, como Tácito, que em sua história de Roma, escrita em 116, fala sobre como surgiram os cristãos. Fá-lo no contexto de um acontecimento, o incêndio da cidade de Roma, que significou uma das grandes perseguições contra os cristãos desferidas por Nero. Há mais: Plínio, o Jovem, Suetônio e outros historiadores que mencionam coisas sobre os primeiros cristãos e sobre Jesus.

P. Os quatro evangelhos são rejeitados por alguns historiadores como um “relato de fé”, mas há aspectos históricos que podemos considerar confiáveis ​​nos relatos dos evangelistas?

R. Pode ser focalizado de duas maneiras. Por um lado, há a confiabilidade dos textos. Se quiséssemos saber se os evangelhos foram escritos perto da época, e se os textos que chegaram até nós são os mesmos. Então você tem que ver se o que eles narram é confiável.

Muita pesquisa foi feita sobre a origem desses textos. Ao longo da história, especialmente com as novas técnicas manuscritas, provou-se que os fragmentos mais antigos são dos séculos II e III. Existem papiros que vêm de meados do segundo século do Evangelho de Mateus. Temos textos de Lucas, João e Marcos do século 2 e 3. Lembremo-nos de que dois dos evangelhos foram escritos por testemunhas oculares (Mateus e João) e os outros dois tiveram o testemunho de pessoas que estiveram com ele, o que é outro endosso importante. A verdade é que eles chegaram até nós hoje de uma forma muito precisa.

Tenhamos presente que existem textos cuja veracidade ou fiabilidade ninguém duvida, como os Diálogos de Platão ou os tratados de Aristóteles, para os quais não temos textos completos até ao século VII ou VIII, e por vezes apenas um punhado de manuscritos. Por outro lado, temos muitos do Novo Testamento: evangelhos completos, fragmentos, livros… Nesse período histórico, cem anos de diferença com os fatos é muito pouco. A permanência da confiabilidade desses documentos é muito alta.

P. Em linhas gerais, quais são os conflitos sociais e políticos que ocorreram na área da Palestina durante os anos do ministério de Jesus?

R. Foi um período turbulento política e socialmente. O Império Romano havia se consolidado, havia deixado para trás a República. Estava se expandindo, mas começava a haver uma ruptura entre os patrícios, os plebeus, também se discutia se deveria estender a cidadania romana às províncias, e aos poucos essas pessoas foram adquirindo a nacionalidade. A área de Israel foi dividida em territórios distintos, mas estava tudo sob o Império Romano. Havia também três grupos principais em Israel tentando dominar a arena política e religiosa. De um lado estavam os fariseus, uma das maiores seitas, que inicialmente receberam a mensagem de Jesus com certo otimismo, pois concordavam com algumas doutrinas, como a da imortalidade da alma. Naquela época, quem tinha mais poder político eram os saduceus, que eram mais elitistas, mais minoritários, mas dessa seita foram os últimos sumos sacerdotes, a figura religiosa mais importante da época. Depois, havia os essênios, um grupo pouco conhecido, que vivia longe de Jerusalém e se opunha à forma como os saduceus e fariseus se deixaram subjugar pelos romanos e se “prostituíram” deixando os invasores dominarem o cena, religião e política de Israel.

Foram vários os grupos que tentaram lutar contra o poder estabelecido, através da guerrilha, tentaram desestabilizar politicamente o Império Romano, contra a monarquia herodiana que havia sido imposta.

Então foi uma época muito turbulenta e violenta. Quando surgiu um movimento tão grande como o de Jesus, tanto o poder político romano quanto o poder religioso judaico ficaram preocupados, não só porque era verdadeiro ou falso como um messias, mas também pelo medo de que os romanos pudessem reprimir essa revolta e podem afetar seus interesses.

P. Estamos na Semana Santa e vemos muitas figuras do crucificado. Era costume os romanos crucificarem os condenados?

R. A crucificação não era algo exclusivo dos romanos. Acredita-se que as primeiras crucificações ocorreram no império assírio e que outros reis da história, como Alexandre, o Grande, a adotaram como uma das punições mais cruéis e degradantes. Foi uma sentença de morte imediata. Multidões inteiras às vezes eram crucificadas após a conquista de uma cidade. O Império Romano a havia utilizado em diversos contextos, não apenas como punição de guerra, mas também como sentença judicial. Processos civis nos quais ele fosse condenado por traição ou assassinato poderiam aplicar essa sentença, embora não fosse tão comum a ponto de ser aplicada a alguém como Jesus, que havia sido acusado de blasfêmia pelo Sinédrio. Indiretamente, ele também foi acusado de rebelião por se autoproclamar rei dos judeus.

A crucificação de Jesus foi injusta e injustificável. As garantias que os judeus tinham perante um tribunal foram violadas.

Por outro lado, a crucificação provavelmente não aconteceu como a iconografia nos mostra. Normalmente eram crucificados em forma de X. Além disso, não costumavam ser pregados, embora Jesus tenha sido pregado, mas não nas palmas das mãos, mas nos pulsos, como forma de sujeição. Era uma maneira cruel e lenta de matar.

P. Alguns consideram que o projeto de Jesus era político e, portanto, sua história é como a de outros líderes judeus que tentaram uma revolta contra Roma. O que havia de diferente em Jesus para ser lembrado pela história?

R. É curioso porque foram muitos os que se levantaram contra o Império Romano. Os judeus esperavam centenas de anos pela vinda do Messias e é normal que houvesse pessoas que tentassem aproveitar essa expectativa para progredir economicamente ou ganhar fama. Mas Jesus tinha um caráter totalmente diferente. Nunca tentou chegar ao poder político, nem deu golpe de Estado ou tentou dominar esta esfera. Ele sempre foi um mestre da lei, então seguidores e adversários o identificaram. Além disso, desde o início lhe foram atribuídos milagres e a multidão, principalmente em seu primeiro ano de ministério, o seguiu em massa. A princípio, principalmente para aproveitar um desses milagres físicos, mas também porque sua mensagem era muito atual e diferente do que tinham ouvido até então.

Jesus, sem contradizer a Lei, interpretou-a de maneira diferente. Por exemplo, quando ele interpreta o sábado e diz que foi feito para o homem, e não o contrário. Ele colocou a Lei, que os judeus multiplicaram com milhares de outros regulamentos, como uma ajuda para nos aproximarmos de Deus, para conhecê-lo, para perceber nossas limitações e nossos pecados. Aquela mensagem renovadora, mesmo depois de sua morte e ressurreição, fez com que muitos continuassem a divulgá-la pelo mundo e a divulgá-la.

Essa mensagem foi muito profunda e muitos acreditaram sinceramente que Jesus não era um homem simples, um profeta mais perseguido, mas que era Deus feito homem, ressuscitado, dando esperança às pessoas que acreditam nele. Essa mensagem cativou a sociedade de seu tempo. Propagou-se muito rapidamente, mesmo numa sociedade pagã, cheia de deuses e na qual se começavam a praticar religiões de mistério, em plena mudança religiosa. O cristianismo conseguiu não apenas prevalecer, mas se destacar. Hoje o cristianismo é a prática religiosa mais difundida no mundo e continua cativando milhões de pessoas.

Fonte: Evangélico Digital

Tags:

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *