LOADING

Type to search

Destaque Mundo Cristão

Ateus pró-vida refutam alegação de que aborto pode ser prática religiosa

Share

Enquanto vários estados se moveram para proibir ou restringir o aborto após a derrubada do Roe v. Wade pela Suprema Corte dos Estados Unidos, algumas ações judiciais alegam que essas leis promovem uma visão sectária de onde a vida começa.

No entanto, defensores pró-vida ateus estão recuando contra as ações judiciais que alegam que as proibições e restrições ao aborto violam a liberdade religiosa e promovem uma definição cristã de vida, dizendo que o direito de praticar a própria fé não justifica “violações dos direitos humanos”. 

De acordo com The Christian Post, Monica Snyder, que atua como diretora executiva da Secular Pro-Life, uma organização composta por ateus e agnósticos, disse  que a crença de que um zigoto é o primeiro estágio da vida dos organismos humanos “não é uma crença religiosa”.

“É um fato biológico. Você não precisa ser religioso para reconhecer fatos biológicos, e não precisa ser religioso para acreditar que todos os humanos são moralmente valiosos”, disse ela.

Desta forma, em Indiana, cinco mulheres e a organização Hoosier Jews for Choice argumentam que a proibição do estado aprovada em agosto proibindo quase todo aborto viola a Lei de Restauração da Liberdade Religiosa Indiana de 2015, assinada pelo ex-vice-presidente Mike Pence quando ele era governador do estado.

Sendo assim dezembro, um juiz emitiu uma liminar contra a lei, declarando que ela “sobrecarrega substancialmente” o exercício religioso. Em outra ação judicial no Kentucky, três mulheres judias alegam que a proibição do aborto pelo estado viola sua liberdade religiosa e alegam que o legislador “impôs a teologia sectária”.

Portanto, a partir de 26 de outubro, a queixa foi retirada no tribunal federal, já que a Suprema Corte do Kentucky considera outros processos que desafiam a proibição. De acordo com o Brennan Center for Center Justice, 34 processos foram movidos contra proibições de aborto em 19 estados, com 31 processos pendentes em nível de julgamento ou de apelação.

Nesse sentido, o ateu pró-vida Snyder questionou se a sociedade teria que permitir abortos eletivos no terceiro trimestre em nome da liberdade religiosa, se a fé de alguém afirmasse que a vida não começa até o primeiro suspiro. Ele  afirma que a liberdade de religião é importante, mas não justifica violações dos direitos humanos.

“Historicamente, algumas sociedades acreditavam que os neonatos não eram ‘crianças’ até que fossem nomeados, ou alimentados, ou batizados. Teríamos que permitir o infanticídio antes desses rituais em nome da liberdade religiosa? Não, é claro que não”, disse.

Fonte: Gospel Prime

Foto: Kevin Lamarque/Reuters

Tags:

You Might also Like

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *