LOADING

Type to search

Mundo Cristão

População cristã está crescendo na Terra Santa, mostra relatório

Share

A população cristã de Israel cresceu ligeiramente, com os cristãos árabes compreendendo a maioria dos cristãos do país, de acordo com um novo relatório divulgado no dia de Natal.

O relatório, divulgado pelo Bureau Central de Estatísticas no domingo, constatou que a comunidade cristã de Israel cresceu 2% em 2021, representando 1,9% da população do país. Segundo o relatório, 75,8% dos cristãos em Israel são cristãos árabes, representando 6,9% da população árabe em Israel.

“Em 2021, a taxa total de fertilidade de uma mulher cristã foi em média de 1,77 filhos por mulher, 1,80 em 2019”, diz o relatório. “O número de filhos por mulher árabe cristã foi ainda menor, de 1,68 filhos por mulher.”

A maioria dos cristãos árabes reside em Nazaré (21.100), seguida por Haifa (16.700), Jerusalém (12.900) e Shefar’am (10.500), segundo o relatório. O tamanho médio de uma casa cristã era de 3,06 pessoas, semelhante ao tamanho de uma casa judaica (3,05), mas menor do que uma casa muçulmana (4,46).

“O número médio de filhos até 17 anos em famílias cristãs com filhos até essa idade é de 1,86 ”, acrescenta o relatório. “Dessas famílias cristãs, o número médio de crianças até 17 anos nas famílias árabes cristãs é de 1,94 – menor do que o número nas famílias judias (2,42) e nas famílias muçulmanas (2,62).”

O relatório também constatou que 52,9% dos cristãos árabes e 31,2% dos cristãos não árabes buscaram educação superior após concluir o ensino médio, uma proporção maior do que a população árabe muçulmana (31,2%) e a população judaica (48,2%).

Os estudantes cristãos que buscam um primeiro grau estudam principalmente musicologia (15,7%), sistemas de informação gerencial (10,5%) e engenharia e tecnologia de alimentos (9,9%), em contraste com outros alunos que estudam para o primeiro grau.

Comparados aos estudantes muçulmanos, os cristãos eram menos propensos a buscar diplomas em educação, negócios e ciências administrativas e estudos paramédicos. No entanto, os estudantes cristãos eram mais propensos a estudar ciências sociais, matemática, ciências da computação e estatística.

“A proporção de mulheres entre os estudantes cristãos era maior do que a proporção de mulheres entre o número total de alunos nos graus avançados: 65,2% e 53,1%, respectivamente, dos que cursavam o terceiro grau, e 73,8% e 64,2%, respectivamente, daqueles que estudam para um segundo grau”, observa o relatório.

Em relação à proporção de cristãos participando da força de trabalho em 2021, 66,3% dos cristãos com 15 anos ou mais (69,2% dos homens e 64,1% das mulheres) representaram a participação do grupo religioso na força de trabalho.

Evangelização dos judeus

A presença dos cristãos em Israel há muito gera debates sobre se eles devem evangelizar o povo judeu.

O fim das restrições do COVID-19 também atraiu turistas cristãos de volta a Israel para marcar a Festa bíblica dos Tabernáculos ou Sukkot.

Mais de 2.000 peregrinos de 70 nações visitaram Jerusalém de 9 a 16 de outubro para a celebração patrocinada pela Embaixada Cristã Internacional de Jerusalém. Enquanto o rabino Tuly Weisz disse que está aberto aos cristãos que participam da ocasião, o fundador do Israel365 levantou preocupações sobre os cristãos que evangelizam os judeus.

Enquanto Weisz disse que acredita que os turistas não-judeus devem ser “calorosamente recebidos” para “chegar mais perto do verdadeiro cumprimento de Sucot”, ele expressou preocupação de que alguns cristãos usariam isso como uma oportunidade para compartilhar o Evangelho com o povo judeu.

“Infelizmente, alguns dos visitantes cristãos esperam usar seu tempo no estado judeu para se envolver em atividades missionárias”, escreveu ele em um artigo publicado no The Jerusalem Post. “A Embaixada Cristã Internacional de Jerusalém faz o possível para evitar isso, alertando seus convidados a se absterem de tal comportamento ofensivo”.

Como observou Weisz, vários cristãos criticaram tais atividades enquanto visitavam Israel, incluindo David Swaggerty, pastor sênior do Charisma Life Ministries em Columbus, Ohio. Em entrevista, Swaggerty explicou que prega o Evangelho durante as conferências de pastores em países como Tailândia e Tanzânia, mas Israel, disse ele, é diferente.

“Quando vou a Israel ou com meus amigos judeus em Columbus, a missão está fora de questão”, disse ele. “Eu não faço isso. Não acredito que seja a vontade de Deus para minha vida fazer isso.”

“Não sinto que seja minha responsabilidade. Meu chamado é construir pontes de confiança e amizade entre o povo judeu e os cristãos”, acrescentou. “Ao fazer isso, tenho um compromisso comigo mesmo e com meus seguidores, minha congregação, de não fazermos missões ao povo judeu.”

Swaggerty acredita que “não há sentido em lutar se Ele (Jesus) veio uma vez ou não”, pois “quando Ele aparecer, não haverá dúvidas sobre quem Ele é”.

O pastor expressou confiança de que Israel verá o Messias um dia e quando Ele vier, toda a nação o “abraçará”.

Outros, no entanto, como o autor judeu messiânico, apresentador de rádio e colunista Michael Brown, sentem que essa abordagem de compartilhar o Evangelho é um “terrível desserviço” ao povo judeu.

“Todo crente judeu que conheço exorta os cristãos a compartilhar as Boas Novas com nosso povo”, disse Brown. “É a coisa mais desamorosa que você pode fazer para reter a água da vida de um judeu. Judeus e gentios são salvos exatamente da mesma maneira. É pela fé em Jesus, por meio de Sua morte na cruz. E sem isso, não há salvação.”

Folha Gospel com informações de The Christian Post

Tags:

You Might also Like

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *