LOADING

Type to search

Destaque Mundo Cristão

Joe Biden promulga lei sobre casamento gay que coloca em risco a liberdade religiosa nos EUA

Share

A Lei de Respeito ao Casamento (RMA) foi assinada na terça-feira (13) pelo presidente Joe Biden, concluindo uma legislação que redefine o casamento nos EUA. A sanção presidencial aconteceu de forma rápida: cinco dias após o Congresso americano concluir a aprovação.

Com a promulgação do projeto de lei por Biden, o casamento entre pessoas do mesmo sexo passa a ser considerado legal na jurisdição em que ocorreu, com reconhecimento federal e estadual.

Embora a nova lei não exija que os estados legalizem o casamento gay, ela revoga a Lei de Defesa do Casamento (DOMA). Ao promulgar o DOMA em 1996, o governo federal definiu o casamento apenas entre um homem e uma mulher e protegeu o direito de um estado de não reconhecer o casamento entre pessoas do mesmo sexo que ocorrido em outra jurisdição, informa o Baptist Press.

As preocupações dos congressistas democratas de que a Suprema Corte dos EUA atual, mais conservadora, pudesse reverter a decisão de 2015 Obergefell v. Hodges que legalizou o casamento gay, alimentaram o esforço para promulgação do RMA.

Para não correr riscos, o Congresso deu a aprovação final ao projeto de lei três semanas antes de o controle da Câmara dos Representantes ser transferido para o Partido Republicano.

Risco para a liberdade religiosa

Para a Alliance Defending Freedom (Aliança de Defesa da Liberdade), um importante grupo legal cristão conservador que ganhou vários casos de liberdade religiosa perante a Suprema Corte dos EUA, acredita que a nova lei colocará em risco a liberdade religiosa.

O vice-presidente sênior de iniciativas estratégicas da ADF, Ryan Bangert, disse em comunicado que “o presidente e o Congresso ameaçaram intencionalmente a liberdade de expressão e a liberdade religiosa com a promulgação da ‘Lei do Respeito ao Casamento’, continuando um padrão de hostilidade flagrante contra pessoas de fé”.

“Infelizmente, o presidente escolheu a sinalização de virtude em vez de proteger milhões de americanos, igrejas e organizações religiosas que falaram por meses sobre os danos inegáveis ​​desse projeto de lei desnecessário”, afirmou.

“Esta lei é uma solução em busca de um problema que não oferece nenhuma proteção ou benefício adicional para casais do mesmo sexo. No entanto, ela fere as liberdades constitucionais que pertencem a cada um de nós.”

Valores tradicionais ameaçados

A National Religious Broadcasters (NRB), uma associação de organizações de mídia cristã evangélica, denunciou a assinatura do ato.

O presidente e CEO da NRB, Troy A. Miller, disse em comunicado que a nova lei é “uma reação a um problema fabricado que não existe”.

“A capacidade de obter um casamento entre pessoas do mesmo sexo não está em risco na América hoje, e este projeto de lei não faz nada para mudar o status legal do casamento entre pessoas do mesmo sexo em qualquer lugar”, afirmou Miller.

“No entanto, a capacidade de fazer negócios ou falar em praça pública, mantendo os valores tradicionais sobre vida, casamento e família, está muito ameaçada. Essas são parte integrante das liberdades da Primeira Emenda que o NRB existe para defender.”

Miller também acredita que a nova lei “coloca os americanos movidos pela fé em risco legal por praticarem suas crenças e, em vez disso, dá sinal verde aos interesses de ativistas radicais que buscam penalizar e prejudicar aqueles que discordam de seus pontos de vista”.

“Isso expõe grupos cristãos de serviço social e outras entidades a litígios predatórios com uma cláusula ampla de ‘direito privado de ação’ e põe em risco a capacidade de organizações religiosas sem fins lucrativos de obter status de caridade e isenção de impostos do IRS”, continuou ele.

“Um dos maiores ataques à liberdade religiosa”

Tony Perkins, presidente da organização ativista cristã conservadora Family Research Council (Conselho de Pesquisa da Família), com sede em Washington, disse que a assinatura do projeto de lei marcou “um dia sombrio”, chamando o projeto de “um dos maiores ataques à liberdade religiosa na história moderna”.

“Os princípios de nossa Primeira Liberdade, garantidos em nossa Constituição, que [o presidente] jurou ‘preservar, proteger e defender’, estão agora em perigo ainda maior”, disse Perkins em um comunicado.

“Ao assinar a Lei de (des)respeito ao casamento, Biden sucumbiu às forças temporais da cultura, e não aos princípios transcendentes da Constituição de nossa nação”.

Perkins argumentou ainda que o casamento tradicional “é uma instituição criada por Deus para o bem-estar de homens, mulheres, crianças e da sociedade como um todo – não pode ser redesenhado sem empobrecer a todos”.

Os críticos reclamaram que a lei não vai longe o suficiente para proteger as consciências religiosas dos empresários – como padeiros, floristas, fotógrafos e outros que prestam serviços relacionados a casamentos – considerando que as batalhas legais envolvendo essas empresas chegaram ao Supremo Tribunal nos últimos anos.

Enquanto três propostas de emendas à liberdade religiosa foram rejeitadas no Senado, os senadores concordaram em adicionar uma emenda ao projeto de lei que protege os direitos de liberdade religiosa de organizações explicitamente religiosas. Alguns senadores conservadores acreditam que as proteções à liberdade religiosa adicionadas ao projeto de lei são “lamentavelmente insuficientes”.

Folha Gospel com informações de Baptist Press, Guia-me e The Christian Post

Tags:

You Might also Like

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *